Natal Prime
POLICIAMENTO NORMAL

PC investiga ligação de ataques com grupo que convocou greve

"Não temos ocorrências desta natureza e, esta coincidência com os acontecimentos, logo depois do anúncio de greve, é determinante para o início das apurações".

09/10/2019 10h27
Por: Sandro Araújo
Fonte: SSP/BA

A Polícia Civil já iniciou as investigações sobre ataques a estabelecimentos comerciais cometidos horas após um grupo anunciar paralisação. Indícios apontam que as ações  foram coordenadas para gerar sensação de insegurança. Já foram solicitadas perícias nas munições encontradas, imagens de câmeras da SSP e de segurança privadas.

Equipes dos departamentos de Polícia Metropolitana (Depom) e de Inteligência Policial (DIP) também buscam testemunhas das ações de vandalismo.

"Não temos ocorrências desta natureza e, esta coincidência com os acontecimentos, logo depois do anúncio de greve, é determinante para o início das apurações", explicou o delegado-geral da Polícia Civil, Bernardino Brito.

As 31 pessoas capturadas tentando furtar duas lojas no bairro de Cosme de Farias, em Salvador, na noite de terça-feira (8), foram autuadas em flagrante pela Polícia Civil. O grupo formado por homens e mulheres arrombou os estabelecimentos, mas foi impedido de levar as mercadorias por equipes da 58ª Companhia Independente da Polícia Militar (CIPM) e das Rondas Especiais (Rondesp) Atlântico.

Vinte integrantes do bando prestaram depoimento na Central de Flagrantes e foram encaminhados para o Departamento de Polícia Técnica (DPT), onde passarão por exames de corpo de delito. A outra parte do grupo aguarda para ser submetida à avaliação.

Após conclusão dos exames, os 31 invasores serão conduzidos para audiência de custódia nos próximos dois dias (10 e 11 de outubro). “Estamos nas ruas para garantir que todo e qualquer ato criminoso contra a população baiana seja levado à Justiça”, garantiu o comandante de Operações da PM, coronel Humberto Sturaro.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.