Sábado, 05 de Dezembro de 2020
75 98175-0580
Saúde Pandemia

Aviões, gelo seco, farmácias: o enorme desafio logístico de vacinar contra a covid-19

Estados Unidos podem ser o primeiro país a lançar uma das operações de vacinação mais ambiciosas da história

11/11/2020 08h55
Por: Sandro Araújo
Vacina contra a covid-19 representa um enorme desafio logístico
Vacina contra a covid-19 representa um enorme desafio logístico

Os Estados Unidos podem ser o primeiro país a lançar uma das operações de vacinação mais ambiciosas da história - distribuir e injetar até 600 milhões de doses da vacina contra a covid-19 em poucos meses.

Embora o mundo tenha realizado campanhas em massa de vacinação por décadas, como aquelas para o sarampo ou a gripe comum, três restrições simultâneas complicam a tarefa desta vez: a pressão do calendário, o fato de que a maioria das vacinas exigirá duas doses e a refrigeração em temperatura baixa ou mesmo baixíssima de certas vacinas.

A desenvolvida pela Pfizer e pela alemã BioNTech, que deve ser a primeira autorizada nos Estados Unidos, é mantida a -70°C, muito abaixo dos 2ºC e 8°C (temperatura de um refrigerador) para vacinas comuns contra a gripe.

Nos Estados Unidos, as doses da Pfizer viriam da fábrica em Kalamazoo, Michigan (a outra fica em Puurs, na Bélgica).

O grupo projetou caixas especiais para remessa, 40x40x56cm, que conterão gelo seco. Cada caixa terá 975 frascos com capacidade para cinco doses cada, totalizando 4.875 doses.

Seis caminhões sairão de Kalamazoo todos os dias para entregar doses a companhias aéreas como Fedex, UPS e DHL, que as distribuirão rapidamente: em um ou dois dias nos Estados Unidos e em três dias no resto do mundo, informou a Pfizer à AFP. Vinte voos de carga diários espalharão futuras doses ao redor do globo.

A Fedex disse à AFP que obteve permissão da Federal Aviation Administration para transportar mais gelo seco a bordo de seus Boeings 767 e 777. Gelo seco é dióxido de carbono solidificado, cuja sublimação (a transição do estado sólido para o estado gasoso) pode ser perigoso para a tripulação.

Uma vez no destino, cada caixa só pode ser aberta brevemente, no máximo, duas vezes por dia. "Isso é feito sob medida para grandes centros de vacinação", explicou à AFP Julie Swann, especialista em resposta à pandemia da Universidade Estadual da Carolina do Norte. Mas não para consultórios médicos ou farmácias.

No início, os americanos provavelmente terão que dirigir até hospitais e talvez grandes estacionamentos, como é o caso dos testes clínicos realizados hoje, explica.

Uma precisão importante é que as doses poderão permanecer até duas semanas em sua caixa refrigerada. Os hospitais não precisam de freezer especial.

Não recomendamos que hospitais e clínicas comprem equipamentos ultrafrios", disse Janell Routh, dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC).

Países em desenvolvimento depois

A farmacêutica americana Moderna também está desenvolvendo uma vacina, que é armazenada a -20 ° C. Um freezer normal será suficiente.

É o segundo maior volume de vacinas compradas nos Estados Unidos e o governo federal organizará sua distribuição gratuita entre estados e territórios por meio do distribuidor McKesson. Cada jurisdição decidirá, então, como distribuir as doses para hospitais, farmácias e consultórios médicos, bem como universidades ou empresas.

É um esquema descentralizado, como o usado durante a pandemia de gripe H1N1 em 2009. "O governo federal não pretende tocar, com raríssimas exceções, uma única dose da vacina" e sua distribuição ficará a cargo dos governos locais, disse Paul Mango, um dos responsáveis pela Operação Warp Speed (velocidade máxima).

O objetivo: oferecer vacinas aos "mais vulneráveis" antes do final de dezembro, ao pessoal de saúde antes do final de janeiro e ao restante da população local no início de abril.

A Pfizer espera produzir 50 milhões de doses este ano e 1,3 bilhão em 2021. Muitos países já fizeram seus pedidos: entre 20 e 30 milhões antes do final de dezembro nos Estados Unidos, 100 milhões no total; 200 milhões para a União Europeia, 120 milhões para o Japão, 34 milhões para o México, 30 milhões para o Reino Unido, 20 milhões para o Canadá.

Moderna, AstraZeneca, Johnson & Johnson, Sanofi e outras empresas de biotecnologia também esperam que suas vacinas sejam seguras e eficazes e, com elas, a complexidade da logística global aumentará.

A transportadora DHL estima que em dois anos serão necessários 15.000 voos e 15 milhões de pacotes refrigerados para entrega em todo o mundo.

Quanto aos países em desenvolvimento, não há esperança de se beneficiar com as primeiras vacinas refrigeradas, disse à AFP Prashant Yadav, especialista em logística de saúde do Centro de Desenvolvimento Global.

Eles terão que armazenar grandes quantidades de vacinas além do limite de duas semanas na embalagem refrigerada. Mas os freezers a -80 ° C, diz Yadav, custam cinco vezes mais do que os freezers padrão e são feitos somente sob encomenda.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
São Gonçalo dos Campos - BA
Atualizado às 19h03 - Fonte: Climatempo
25°
Muitas nuvens

Mín. 21° Máx. 28°

25° Sensação
20.4 km/h Vento
66.4% Umidade do ar
0% (0mm) Chance de chuva
Amanhã (06/12)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 21° Máx. 28°

Sol com algumas nuvens
Segunda (07/12)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 20° Máx. 28°

Sol com algumas nuvens
Ele1 - Criar site de notícias