LUDIMILLA DIA 09/10
PAGSEGURO anúncio home
PRIMEIRA DAMA

MP do Rio de Janeiro mira cheques de Queiroz para Michelle Bolsonaro

A Constituição não impede que Michelle Bolsonaro seja investigada

16/05/2019 15h26Atualizado há 5 meses
Por: Sandro Araújo

Os dez cheques que Fabrício Queiroz afirmou ter pagado à primeira-dama Michelle Bolsonaro, na devolução de um suposto empréstimo de R$ 40 mil que o presidente Jair Bolsonaro teria feito ao assessor do filho, estão no radar dos investigadores do Ministério Público do Rio de Janeiro encarregados da investigação sobre a suspeita de que Flávio Bolsonaro ficava com parte do salário dos funcionários.

Segundo um investigador do caso, a quebra de sigilo bancário de Michelle não foi pedida pelo MP porque ampliaria demasiadamente o escopo dos alvos, composto de 95 pessoas e empresas.

"O foco neste momento é em três núcleos: o da loja de Flávio, o do gabinete e o familiar. Em um eventual desdobramento, a primeira-dama pode se tornar alvo", explicou um investigador do caso.

Existe a suspeita de que seja falsa versão apresentada por Bolsonaro, de que os cheques seriam o pagamento de um empréstimo. Na avaliação dos investigadores, a quebra do sigilo de Flávio, de Queiroz e dos demais assessores e familiares mostrará se a suspeita é verdadeira.

A Constituição não impede que Michelle Bolsonaro seja investigada. A restrição imposta pela Constituição é sobre processar o presidente por fatos não relacionados com o mandato em vigência. Mesmo uma eventual investigação para detectar se Bolsonaro teve envolvimento com o suposto esquema poderia ocorrer. Foi dessa maneira, por exemplo, que Michel Temer foi investigado mesmo enquanto presidente.

(Atualização: O Ministério Público do Rio enviou nota à coluna em que afirma que não reconhece as “supostas declarações” publicadas pela coluna e afirma que “todas as investigações e suas diligências referentes a movimentações atípicas envolvendo assessores de parlamentares da Alerj estão sendo mantidas em absoluto sigilo no âmbito do MPRJ”. A coluna mantém as informações publicadas e ressalta que a fonte com aspas na reportagem é um investigador do caso, não necessariamente um promotor.)

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.