Domingo, 05 de Julho de 2020 16:48
75 98175-0580
Saúde Pandemia

Secretário da Confederação Nacional de Saúde afirma que fila única para pacientes da Covid-19 não funciona

Medida já foi apontada como solução para resolver a questão da disponibilidade de leitos em estados com sobrecarga do sistema de saúde

18/06/2020 06h45
Por: Sandro Araújo
Secretário da Confederação Nacional de Saúde afirma que fila única para pacientes da Covid-19 não funciona

Para lidar com um possível colapso do sistema de saúde, há quem defenda a “fila única” de pacientes das redes pública e privada para acesso aos leitos de UTI. No entanto, não é isso o que pensam alguns especialistas que se debruçaram sobre o assunto. 
 
A justificativa de quem defende a fila única é de que a disponibilidade de leitos de UTI particular é maior, proporcionalmente, do que a do Sistema Único de Saúde (SUS) e isso ajudaria a desafogar a espera por uma vaga na internação. 

No entanto, um estudo de pesquisadores de Harvard, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e do Ministério da Saúde chegou à conclusão de que medidas como essa apenas adiam o colapso dos hospitais. 

Bruno Sobral de Carvalho, secretário executivo da Confederação Nacional de Saúde (CNS), detalha porque a medida não seria boa, caso adotada. “A fila única não cria leito. Você tem só uma burocratização de um processo na mão do governo municipal ou estadual a gestão de algo complexo, que é o leito hospitalar. Se os gestores fossem eficientes em fazer isso, não teria um leito do SUS desativado. Isso não vai atender a ninguém e não resolve o problema da falta de leitos.”

Bons modelos

Até aqui, não houve, alguém que adotasse a medida controversa. Pelo contrário. Outros governadores resolveram tomar medidas diferentes para lidar com o problema da disponibilidade de leitos. No Distrito Federal, por exemplo, a Secretaria de Saúde local investiu R$ 35 milhões para contratar leitos de UTI da rede privada. Em São Paulo, no Rio de Janeiro e em outros estados, os gestores ergueram hospitais de campanha ou começaram a investir na reativação de leitos que estavam parados. 

Carvalho destaca três possibilidades para que a ocupação de leitos de UTI deixe de ser um problema ou seja solucionada. “O grande objetivo agora é criar leitos novos. Primeiro reativando os leitos do SUS. Muitos estão parados por falta de gestão, de insumos e de pessoal. A segunda coisa é fazer hospital de campanha e, por fim, você tem um instrumento de contrato entre o sistema de saúde e os hospitais, que pode funcionar e ser intensificado”, explica. 

Ocupação dos leitos

Dados obtidos junto às secretarias de saúde locais mostram a ocupação dos leitos nos estados mais afetados pela pandemia. No primeiro deles, São Paulo, registra 70,6% dos leitos de UTI ocupados. De acordo com o Ministério da Saúde, o estado conta com mais de 9 mil leitos, entre SUS e hospitais privados. 

O Rio de Janeiro, segundo estado em número de casos, vê queda na ocupação das UTIs. O estado chegou a registrar quase 100% de ocupação e, agora, está em 64%. O Ceará, que vem logo em seguida, tem 72% dos leitos ocupados. 

O Pará - estado que chegou a decretar bloqueio total das atividades e serviços não essenciais - dá sinais de que a ocupação dos leitos começa a cair. Dos 749 exclusivos para pacientes com o novo coronavírus, 500 estão indisponíveis. A taxa de ocupação é de 66%.   

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
São Gonçalo dos Campos - BA
Atualizado às 16h30 - Fonte: Climatempo
25°
Muitas nuvens

Mín. 22° Máx. 26°

25° Sensação
21.5 km/h Vento
55% Umidade do ar
90% (5mm) Chance de chuva
Amanhã (06/07)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 20° Máx. 27°

Sol e Chuva
Terça (07/07)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 20° Máx. 27°

Sol e Chuva
Anúncio
Ele1 - Criar site de notícias