Barragem de Afligidos: CMA diz que não tem risco de rompimento, ANA diz que tem; quem está certo?


Após visitar as barragens RS1 e a RS2, em Camaçari, na semana passada, o presidente da Comissão do Meio Ambiente, Seca e Recursos Hídricos, deputado José de Arimateia (PRB), visitou na manhã desta quinta-feira (28), a Barragem do Distrito de Afligidos, situada no município de São Gonçalo dos Campos.

O equipamento é de competência da Companhia de Engenharia Hídrica e de Saneamento da Bahia (Cerb). Por unanimidade, os técnicos ambientais presentes descartaram qualquer possibilidade de rompimento da barragem mensurada, pois não existem problemas no aspecto estrutural.
Atento à vistoria, o deputado Arimateia ressaltou que os entraves estão na manutenção na parte do revestimento, limpeza das tubulações e vegetação, mas segundo ele, o diretor de Meio Ambiente e Recursos Hídricos da Cerb, Gilvan dos Santos Lima, garantiu que em 45 dias os reparos necessários serão realizados. “O Governo precisa cumprir o seu papel. Irei acompanhar de perto a execução desse trabalho”, disse o republicano. Fonte (ALBA).

Muito antes dessa visita, o ex vereador do município, Gonçalo Raimundo Alves de Oliveira, visitou o local que também é conhecido como "Balneário" e registrou o estado de abandono e péssimas condições de uma também importe opção de laser e renda para o Distrito.

Com a visita da Comissão do Meio Ambiente, Seca e Recursos Hídricos desta quinta-feira, 28, e afirmação do presidente da comissão de que não existe risco de rompimento, não só os moradores do entorno como de todo o município estão sem saber em quem acreditar. Isso porque em 2017, a barragem de Afligidos foi colocada entre as dez barragens da Bahia com risco de rompimento.

A publicação dos dados do relatório da Agencia Nacional de Águas (ANA) foram divulgados em novembro de 2017, pelo jornal Folha de S. Paulo.

"A Bahia tem 10 barragens com estrutura comprometida e risco de ruptura. Os dados são do relatório da Agência Nacional de Águas (ANA), considerando dados de 2017. Ao todo, o estado tem 426 barragens cadastradas."
À época, o balanço da ANA foi o segundo produzido após rompimento da barragem de Fundão, em Mariana (MG), sob responsabilidade da mineradora Samarco, provocando a morte de 19 pessoas e poluiu o rio Doce, em novembro de 2015.

Na Bahia, as estruturas com risco são: Afligidos (em São Gonçalo dos Campos), Apertado (Mucugê), Araci (na cidade de mesmo nome), Cipó (Mirante), Luiz Vieira (Rio de Contas), RS1 e RS2, em Camaçari, Tabua II (Ibiassucê), Zabumbão (Paramirim) e Pinhões (Juazeiro/Curaçá).

As unidades foram destacadas pelo Instituto de Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Estado da Bahia (Inema) - órgão fiscalizador que identificou, a pedido da ANA, as barragens mais preocupantes, ou seja, com algum comprometimento estrutural importante que impactasse a sua segurança.


E agora, quem está certo, a Comissão do Meio Ambiente, Seca e Recursos Hídricos ou a Agencia Nacional de Águas (ANA)?

VEJA O RELATÓRIO





Por Sandro Araújo

São Gonçalo Agora

0 Comentários:

Postar um comentário