Seleção de médicos brasileiros para substituir cubanos será ainda em novembro, diz ministério

O Ministério da Saúde anunciou nesta sexta (16) que a seleção de médicos brasileiros para substituírem os profissionais cubanos que deixarão o Programa Mais Médicos acontecerá ainda neste mês de setembro.

Nesta quarta (14), o governo de Cuba anunciou a saída do programa, do qual faz parte desde o seu início em 2013, por causa de “declarações ameaçadoras” do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL).

De acordo com a pasta, o edital para a substituição das vagas será finalizado em conjunto com a Organização Panamericana de Saúde (Opas). Ao todos, 8.332 médicos cubanos devem deixar seus postos, que serão assumidos por profissionais brasileiros.

Saída do programa

A saída de Cuba dos Mais Médicos foi anunciada nesta quarta pelo Ministério de Saúde do país.

“O presidente eleito do Brasil, Jair Bolsonaro, com referências diretas, depreciativas e ameaçadoras a presença de nossos médicos, declarou e reiteirou que modificará os termos e condições do Programa Mais Médicos, em desrespeito à Organização Panamericana de Saúde e ao convênio feito com Cuba, ao questionar a preparação de nossos médicos e condicionar a permanência deles no programa à revalidação do diploma e contratação individual”, aponta um anúncio publicado em uma rede social.

Em sua conta no Twitter, Bolsonaro lamentou a decisão. “Condicionamos à continuidade do programa Mais Médicos a aplicação de teste de capacidade, salário integral aos profissionais cubanos, hoje maior parte destinados à ditadura, e a liberdade para trazerem suas famílias. Infelizmente, Cuba não aceitou.”

O programa Mais Médicos foi criado em 2013 durante a gestão de Dilma Rousseff, com o objetivo de levar médicos brasileiros e estrangeiros a locais onde não havia cobertura médica.

Sandro Araújo