Operação de combate à pedofilia na internet mobiliza autoridades brasileiras e argentinas

PF realiza operação paralela que também combate exploração sexual de menores de idade 
A Polícia Federal e as Polícias Civis dos 18 estados, mais o Distrito Federal, sob a coordenação da Secretaria Nacional da Segurança Pública, realizaram duas operações de combate à pedofilia e a exploração de menores de idade na internet.

A Secretaria deu início, na manhã desta quinta-feira (22), à terceira fase da operação “Luz da Infância”, em 18 estados e no Distrito Federal. Com o auxílio da Polícia Civil dos respectivos estados, a operação cumpriu 69 mandados de busca e apreensão. Num total, mais de mil policiais participaram da operação e 61 pessoas foram presas até o momento. Simultaneamente, 41 mandados com o mesmo objetivo foram cumpridos em Buenos Aires, capital da Argentina.

Essa operação em conjunto entre forças de segurança do Brasil e da Argentina é fruto da cooperação entre a Secretaria Nacional de Segurança Pública, a Polícia de Imigração e Alfândega dos Estados Unidos e o Corpo de Investigações Judiciais do Ministério Público Fiscal da Cidade Autônoma de Buenos Aires e as Polícias Civis do Brasil.

Raul Jungmann, ministro da segurança Pública, comentou sobre a parceria firmada.

“Nós Vamnos prosseguir com essa atuação conjunta, que é exatamente o fruto do SUSP, Sistema Único de Segurança Pública,que reúne todas as forças do judiciário, das polícias, das Forças Armadas, do Ministério Público, da inteligência e que agora se articula tanto com a Argentina como os Estados Unidos para promover esta operação.”

Quem também foi às ruas para combater a exploração sexual de crianças e adolescentes na internet foi a PF, que deflagrou a chamada operação “Atalaia”, com 60 mandados de busca e apreensão em 12 estados e no Distrito Federal.

A operação investiga armazenamento e divulgação de conteúdo pornográfico envolvendo crianças. A prática da violência sexual contra menores de idade e a produção desse tipo de material compartilhado também são investigados pela PF.

Reportagem, Raphael Costa

Sandro Araújo