Problema mecânico enche ônibus escolar de fumaça em São Gonçalo e causa pânico em alunos

Dezenas de estudantes da zona rural de São Gonçalo dos Campos, que utilizam o transporte escolar do programa "Caminho da Escola", passaram por um grande susto na última terça-feira, 02, no povoado da Taperinha, quando o interior do ônibus amarelinho começou a ficar repleto de fumaça.

Os estudantes, alunos do turno matutino em escolas que ficam no centro da cidade, entraram em pânico e desceram rapidamente do transporte cheio de fumaça. Felizmente ninguém ficou ferido.

Segundo uma aluna, o motorista informou que o ônibus estava "no canto há tempos", provavelmente quebrado, e mesmo assim mandaram pegar para transportar os alunos, colocando a vida de todos em risco. Os alunos apenas saíram do ônibus, apesar de chateados com o descaso nada foi feito contra o veículo ou motorista, disse a aluna.

O caso foi registrado no programa Planeta Notícia da Rádio São Gonçalo AM com Sandro Araújo e Gerson Oliveira e também foi solicitado do governo municipal informações do que teria causado a fumaça no ônibus. Até o momento nenhuma resposta chegou à redação do programa.



O SGAGORA tem recebido reclamações de muitos estudantes falando do sucateamento da frota de ônibus que fazem o transporte escolar na cidade. Tem veículo com vidro de porta faltando, sem descarga, faltando parte de para choque e também amarrado com fio ou arame, sujo, sem farol, com problemas mecânicos e etc.

Outra aluna entrou em contato com o SGAGORA e fez um grande desabafo:

"Boa tarde Sandro, sou estudante e uso o transporte escolar, estava vendo as reportagens sobre o assunto do ônibus. O que estão falando é um absurdo, os alunos tiveram essa reação violenta por causa que não aguenta mais essa situação com o transporte público, os ônibus só vêm super lotados, com capacidade de levar 30 alunos estão indo com 60, às vezes vão com as portas abertas, alunos já passaram mal por causa da superlotação, quantas vezes saímos do centro para nossas casas 2 horas da tarde, passando fome, quando nós perguntamos aos responsáveis - cadê os ônibus? eles simplesmente falam para nós; os ônibus estão em outros lugares por que vocês não tem prioridade. Os alunos estão revoltado, e cheio desta situação. Os alunos só se manifestaram porque na subida dá ladeira o ônibus começou a entrar fumaça e com o cheiro insuportável de queimado, os alunos então ficaram em pânico, uns querendo pular a janela, em tempo de faturar algum membro, começaram a gritar que o ônibus tava pegada fogo, pediram para o motorista abrir a porta e ele nada de abrir, até que acabou abrindo e todos saíram correndo, com medo, desespero, uma aluna passou mal, ficou com falta de ar e quase tem uma síncope (desmaio), ai os alunos ficaram revoltados e começarão a protestar. Estão tratando os alunos como vândalos, criminosos, só que os estudantes não são não, são alunos que estão cheio de sofrer, não tem o transporte de qualidade, temos nosso direito de ter um transporte bom e de qualidade. Não o ônibus irregular sem manutenção, esse transporte mesmo não tinha nem extintor de incêndio. E deixando claro que o motorista (Duda) já vinha da rua avisando que o ônibus não iria subir a ladeira porque estava ruim sem força, se ele tinha consciência disto porque ele foi buscar os alunos para levar para casa? Essa não é a primeira vez que vem ônibus assim. Tem compartilhamentos no Facebook de uma denúncia feita há alguns meses falando da superlotação do transporte."

No caso dos amarelinhos o PNATE - Programa Nacional de Apoio ao Transporte Escolar tem como objetivo garantir o acesso e a permanência dos alunos na escola, por meio de assistência financeira, em caráter suplementar, a Estados, Distrito Federal e municípios.

A transferência de recursos financeiros é efetivada automaticamente pelo FNDE, sem necessidade de convênio ou instrumento congênere, para custear despesas com: reforma, seguros, licenciamento, impostos e taxas, pneus, câmaras, serviços de mecânica em freio, suspensão, câmbio, motor, elétrica e funilaria, recuperação de assentos, combustível e lubrificantes do veículo utilizado para o transporte de alunos da educação pública residentes em área rural.

Por Sandro Araújo

Sandro Araújo