Raul Jungmann afirma que assassinato de Marielle e Anderson envolve agentes do estado

O Ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, participou, nesta terça-feira, 7, do programa “Entre Aspas”, da GloboNews, onde falou da complexidade para esclarecer as mortes da vereadora Marielle Franco (PSol-Rj) e de seu motorista, Anderson Gomes, assassinados na noite de 14 de março. Segundo ele, o envolvimento de agentes do estado e de políticos dificulta a conclusão das investigações.

“Esse assassinato da Marielle envolve agentes do estado. Envolve, inclusive, setores ligados seja à órgãos de controle do estado seja à órgãos de representação política”.

Quando questionado se a referência era em relação às ramificações do parlamento e da própria polícia, Jungmann respondeu que sim, e que esse é um dos problemas que existe. No entanto, o ministro afirmou que a complexidade não está relacionada à "embarreiramentos", chantagens e ameaças, e sim ao profissionalismo do crime.

“A complexidade deriva do profissionalismo que ele (o crime) foi feito, e do fato que ele tem uma rede de intersecção, que eu poderia chamar, daqueles que têm interesse que aquilo acontecesse, que, aparentemente, é bastante ampla. Daí a grande dificuldade para esclarecer esse caso da Marielle”, disse.

Jungmann ainda declarou que acredita que o caso será esclarecido até o final desse ano. “Nós da Polícia Federal (PF) estamos dando todo o apoio. A Polícia Rodoviária Federal (PRF), a Força Nacional, a inteligência nacional colaboram”.

Marielle e Anderson foram executados na noite do dia 14 de março, no Estácio, na Região Central do Rio. O caso é tratado como sigiloso pela Polícia Civil e pelo Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ).

A Delegacia de Homicídios da Capital (DH), responsável pela investigação, comunicou, em julho, que um suspeito de envolvimento com o crime foi preso. Ele é um policial militar reformado, identificado como Alan de Morais Nogueira, conhecido como “Cachorro Louco”, suspeito de estar estar no carro com os criminosos que executaram Marielle e Anderson. Alan ainda faria parte de um grupo de milicianos da Zona Oeste do Rio, liderado pelo ex-PM e miliciano Orlando de Curicica, preso em uma penitenciária de segurança máxima e que também é suspeito de envolvimento no assassinato da vereadora.

Quase dois meses após o crime, uma testemunha, ex-integrante do grupo de Curicica, revelou à polícia informações que implicariam o envolvimento do vereador Marcelo Siciliano (PHS) e de Orando no assassinato.

A testemunha contou que presenciou uma conversa entre o vereador e o miliciano onde os dois planejaram o assassinato da vereadora, motivado pela disputa por áreas de interesse na região dominada por Orlando. Os dois negaram o envolvimento

Sandro Araújo