Embasa amplia combate a ligações clandestinas de água na região de Serrinha

O escritório da Embasa de Serrinha vem desenvolvendo uma série de ações de combate a fraudes no consumo de água no município. Somente no 1º semestre deste ano, já foram localizados mais de 290 irregularidades como ligações clandestinas, adulteração de hidrômetro e bypass.

A equipe da Embasa inicia o trabalho de identificação de possíveis casos de irregularidade no consumo de água realizando um verdadeiro “pente fino” no sistema comercial da empresa. “Além desta ferramenta, temos recebido denúncias anônimas que nos ajudam a chegar até as fraudes”, explica Victor Ramos, gerente da Embasa em Serrinha.

O trabalho de identificação de ligações clandestinas vem sendo realizado em várias localidades do sistema integrado de abastecimento da região. Somente em Serrinha, em 2018, já foram retiradas irregularidades nos bairros de Alto da Bandeira, Urbis I, Cidade Nova, Princesa Agreste, Gravata, Recreio, Entrude, Abóboras, Caseb, Cruzeiro, Alto Coqueiros e Rodoviária. Destaca-se também o trabalho realizado nos povoados situados entre Serrinha e Conceição do Coité. Foram encontradas irregularidades nas localidades de Bela Vista, Tanque Grande, Saquinho, Mato Grosso, Mato Fino, Subaé e Boa Vista.

Somente nos seis primeiros meses deste ano, estima-se que o prejuízo causado pelas fraudes seja de cerca de R$ 220 mil, com o desvio aproximado de 30.515 metros cúbicos de água. O gerente de Serrinha faz um alerta sobre os outros problemas que as ligações clandestinas podem causar. “A população é prejudicada quando tem uma ligação irregular, porque quem faz o ‘gato’ geralmente desperdiça água, gasta em excesso, já que não está pagando pelo serviço. E pode afetar ou até mesmo interromper o abastecimento para os vizinhos”, afirma. “Além disto, uma ligação clandestina representa risco à saúde pública, porque pode causar contaminação da água distribuída ao se mexer na tubulação da Embasa para colocar canos que desviam a água para o imóvel”, informa.

Penalidades – O furto de água é qualificado como crime contra o patrimônio, de acordo com o Artigo 155 do Código Penal Brasileiro. A pena prevista em lei é de um a quatro anos de reclusão e pagamento de multa.

A população pode denunciar os “gatos” de água através do telefone 0800 0555 195 ou pela Central de Serviços Web no site www.embasa.ba.gov.br. O denunciante não precisa se identificar e a ligação é gratuita.

Sandro Araújo