PF deflagra nova fase da Lava Jato para investigar propina de R$ 200 milhões e elo com MDB

Batizada de Déjà Vu, nova etapa ocorre em três estados: Rio de Janeiro, Espírito Santo e São Paulo 


A Polícia Federal deflagrou na manhã desta terça-feira (8) a 51ª fase da Operação Lava Jato, em que é investigado o pagamento de propina no valor de R$ 200 milhões e elo com o MDB. Policiais federais cumprem 23 mandados judiciais nos estados do Rio de Janeiro, Espírito Santo e São Paulo. Segundo a PF, o objetivo da operação é reunir elementos que comprovem a corrupção, associação criminosa, fraudes em contratações públicas, crimes contra o sistema financeiro nacional e lavagem de dinheiro.

Os mandados foram expedidos contra três ex-funcionários da Petrobras e três operadores financeiros, sendo que um deles agia como intermediador responsável por repassar os valores a políticos do MDB. De acordo com a Polícia Federal, as investigações apontam a aquisição de contratos por parte do Grupo Odebrecht junto à Petrobras. As quantias eram superfaturadas através do pagamento de vantagens indevidas para executivos e gerentes da Petrobras.

Segundo o Ministério Público Federal, a propina foi paga entre os anos de 2010 e 2012 e totaliza US$ 56,5 milhões, o equivalente a aproximadamente R$ 200 milhões na cotação atual. Segundo o órgão, há provas de repasses de cerca de US$ 25 milhões a ex-funcionários da Petrobras e aproximadamente US$ 31 milhões para pessoas que se identificavam como intermediários políticos ligados ao MDB. Os valores estão relacionados a um contrato fraudulento de mais de US$ 825 milhões, firmado entre a Petrobras e a construtora Norberto Odebrecht, em 2010.

Os presos serão levados à Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba.

Reportagem, Paulo Henrique Gomes

Sandro Araújo