Oitavo dia de greve de caminhoneiros tem protestos nas rodovias estaduais e federais

Rodovias federais e estaduais baianas seguem com protestos nesta segunda-feira (28), oitavo dia de greve de caminhoneiros. Nas manifestações, o tráfego flui normalmente para carros e ônibus. Apenas caminhões e carretas são retidos.

Representantes de caminhoneiros autônomos afirmaram que aprovam as proposta anunciadas no domingo (27) pelo presidente Michel Temer. Com a nova proposta, detalhada por Temer durante pronunciamento, o governo espera encerrar a greve dos caminhoneiros.

Entre as medidas está a redução de R$ 0,46 no preço do litro do diesel por 60 dias e a isenção de pegamento de pedágio para eixos suspensos de caminhões vazios. Apenas a redução de R$ 0,46 no preço do diesel custará ao governo R$ 10 bilhões.
Duas entidades de caminhoneiros dizem que aceitam a proposta feita pelo governo para encerrar a greve. Elas afirmam que estão comunicando os grevistas sobre o fim do movimento. Outra entidade, a Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos (CNTA) não trata a paralisação como encerrada. Segundo a assessoria, as medidas são levadas à base dos caminhoneiros. Ainda há protestos pelo país.

O que diz a Abcam

A Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam) informa que “ainda não houve tempo hábil para que todos os caminhoneiros tomassem conhecimento da decisão tomada. A entidade vem trabalhando para que a informação do acordo chegue em toda a categoria. Vale lembrar que ainda que a entidade se manifeste pelo fim das paralisações, nem todos os manifestantes seguem o mesmo entendimento. Mas acreditamos que até o fim da tarde de hoje a quantidade de caminhões parados tenha sido reduzida de forma significativa”.

O que diz a Unicam

O presidente da União Nacional dos Caminhoneiros (Unicam), José Araújo Silva, o China, disse que muitos caminhoneiros não sabem o que está acontecendo (sobre comunicado de acordo).

“Continuam parados por falta de comunicação. Mas agora não tem como prosseguir a greve. Vão prorrogar o aumento para 60 dias, o que já é uma grande vantagem. Agora precisa bater com o governo outras metas", afirmou China, sem citar outras reivindicações.

"O ponto principal era o aumento do óleo diesel. Agora o governo já fez o pronunciamento e cabe às entidades fazerem a comunicação. Não tem como continuar”, informou China, que por volta das 7h30 disse que iniciaria a comunicação com os sete grupos de WhatsApp que faz parte. Cada grupo conta com cerca de 200 caminhoneiros.

Para China, a movimentação deve começar a acontecer por volta das 12h desta segunda-feira (28).

G1

Sandro Araújo