Papa Francisco diz que teme guerra nuclear: 'Estamos no limite'

Aberto defensor do desarmamento nuclear, o Papa Francisco disse, nesta segunda-feira, que teme uma guerra com bombas atômicas. Na visão do Pontífice, o mundo "está no limite" e pode ver a eclosão de um conflito a qualquer momento. O líder da Igreja Católica, de 81 anos, iniciou a sua viagem ao Chile e ao Peru. No voo, ele distribuiu uma foto de dois irmãos vítimas do bombardeio a Nagasaki, no Japão, em 1945.

"Sim, eu tenho medo. Estamos no limite. Basta um incidente qualquer para ativar o gatilho da guerra", frisou o líder católico a jornalistas que o acompanham no avião até a América Latina. "Precisamos destruir as armas, trabalhar para o desarmamento nuclear".

A imagem dos dois irmãos foi registrada pelo fotógrafo Joseph Roger O'Donnell e remonta a um dos ataques nucleares do fim da Segunda Guerra Mundial, no qual 74 mil foram mortos após a rendição japonesa. O engajamento de Francisco contra as armas de destruição em massa acompanha a tensão retórica entre o presidente americano, Donald Trump, e o ditador norte-coreano, Kim Jong-un.

O Papa Francisco iniciou, na manhã desta segunda-feira, sua 22ª viagem ao exterior, com destino ao Chile, onde ficará até 18 de janeiro, e ao Peru, com estada de 18 a 21 de janeiro.

Sandro Araújo