Usuários dos PSF's de São Gonçalo sofrem com falta de material, médicos e medicamentos

Neste mês de dezembro, após denúncias sobre a ineficiência de alguns setores do governo municipal da cidade de São Gonçalo dos Campos, a reportagem do São Gonçalo Agora resolveu investigar as reclamações e constatou diversas irregularidades, em especial, no setor de saúde pública do município. Os coordenadores e outros profissionais das unidades visitadas não quiseram falar para a nossa reportagem com medo de represarias.

Em todos os PSF’s (Programa de Saúde da Família) há falta de medicamentos e autoclave (esterilizador dos materiais utilizados para o atendimento da população), fazendo com que os materiais sejam esterilizados no Hospital Municipal e que nem sempre consegue atender a demanda, implicando, dessa forma, no funcionamento dos postos que estão acontecendo em dias alternados.
Fundo do CAPS
No CAPS (Centro de Atendimento Psicossocial), localizado no bairro João Durval, pacientes também reclamam da insuficiência de medicamentos e a troca "obrigada" de remédios devido a essa carência. Porém, os episódios mais chocantes são os de pacientes que estão se alimentando na casa de funcionários do CAPS por causa da escassez de alimentos, motivo pelo qual também as atividades realizadas no CAPS estão suspensas.

No PSF da Estação, além da carência de remédios, há falta de materiais para serem feitos os curativos. É válido ressaltar que um paciente ficou três (3) semanas sem poder fazer seus curativos em razão da falta de materiais no posto.
Tentamos contato com a secretária de saúde do município, Jaqueline Porto, porém não conseguimos êxito
No PSF da Lavanderia, há equipamentos que precisam ser trocados para dar uma melhor assistência ao paciente, como por exemplo, a cadeira odontológica que é considerada "arcaica" e é operada a manivela dificultando a eficácia no atendimento de pessoas acima do peso.
PSF da Lavanderia
Já no PSF do José Sarney parece faltar tudo, nem o mínimo, um aferidor de pressão, não se encontra na unidade de saúde. Além de faltar medicação, faltam médicos e até a higiene do local está comprometida em consequência do aparecimento de muitos pardais no local. Não há balanças para recém-nascido e a saída encontrada é pesar a mãe junto ao bebê em uma balança normal, e depois pesar a mãe sozinha, subtraindo o peso da mãe com o bebê pelo peso da mãe sozinha, as agentes de saúde obtêm o peso aproximado da criança.
PSF do José Sarney
Em abril deste ano o programa do MP 'Saúde + Educação: Transformando o Novo Milênio' visitou as unidades de saúde do município e constatou diversas irregularidades, inclusive no PSF do José Sarney. O MP inspecionou o funcionamento integral das unidades, se está composta com todos os profissionais recomendados pelo Ministério da Saúde, a disponibilidade de medicamentos e se estão no prazo de validade, estrutura física das unidades e se atende à prestação de serviço de qualidade, se os profissionais são contratados ou efetivos, ou seja, tudo relacionado a área da saúde pública em São Gonçalo.
PSF do José Sarney. Foto tirada dia 14 de dezembro
PSF do José Sarney. Foto tirada dia 14 de dezembro
Em referência ao Dia Internacional Contra a Corrupção, no dia 8 de dezembro o MP voltou a inspecionar unidades de saúde e escolares em todos o estado. Em São Gonçalo, as visitas ocorreram em três escolas, que segundo o MP "infelizmente não houve nenhuma intervenção do município durante todo este ano de 2017".

Os relatórios das inspeções serão apresentados ao gestor municipal em janeiro de 2018, que terá um prazo para corrigir todas as irregularidades encontradas nas três escolas, assim como nas unidades de saúde já visitadas no programa do MP 'Saúde + Educação: Transformando o Novo Milênio'.

Ação Social, Transporte Escolar e 13º

Investigando a Secretaria de Desenvolvimento e Ação Social descobriu-se que só a área relacionada ao bolsa-família está em funcionamento, contudo, as visitas do bolsa-família não estão sendo feitas por falta de funcionários e combustíveis nos veículos. 

Dentre tantas outras denúncias, foram citadas a decadência do transporte escolar, os motoristas alegam que a prefeitura não efetuou o pagamento e as pessoas do governo não se pronunciam sobre o assunto.

O 13º (décimo terceiro salário) do servidor público municipal será pago em duas parcelas, de acordo com o governo e dirigentes sindicais, que se reuniram na segunda-feira (18) e, ao ouvirem as justificativas do governo concordaram com a proposta. Ficou decidido que uma parcela será paga nesta quarta-feira (20), prazo final para pagamento desta parcela, e a segunda dia 29 de dezembro.

Caso não aconteça dessa forma, segundo o presidente do SINDSERP (Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de São Gonçalo dos Campos) os servidores já sinalizam que irão “cruzar os braços” até que os pagamentos sejam efetuados.

Com informações de Sandro Araújo/Redação: Danielly Freitas

Sandro Araújo