residencial Grupo de Trabalho da Lava Jato, em Brasília, terá reforços a partir do próximo ano - São Gonçalo Agora

Grupo de Trabalho da Lava Jato, em Brasília, terá reforços a partir do próximo ano

Portarias que oficializam seleção já foram assinadas por Raquel Dodge. Pela primeira vez, escolha foi feita por meio de edital

Em portarias assinadas no último dia (21), a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, oficializou a escolha de quatro procuradores da República que reforçarão a equipe da Secretaria da Função Penal Originária no Supremo Tribunal Federal (SFPO/STF). Dois dos selecionados atuarão de forma exclusiva no Grupo de Trabalho da Lava Jato. Pela primeira vez a escolha foi realizada por meio de processo seletivo regido por edital público. Com o reforço, o GT da Lava Jato passará a ter 10 membros.

Conforme previsto no edital, os candidatos precisaram comprovar que preenchiam critérios como experiência em Direito Penal, afinidade com o trabalho em equipe, além da familiaridade com atuação em grande volume de processos em prazos curtos. A seleção também considerou as regras previstas na Resolução 177/2017, do Conselho Superior do Ministério Público Federal (CSMPF), que limita em 10% do efetivo de cada unidade o percentual de membros que podem ser desonerados.

Reforçarão a SFPO/STF os procuradores Victor Riccely Lins Santos (Procuradoria da República no Amazonas), Galtienio da Cruz Paulino (Procuradoria da República no Maranhão), Leonardo Sampaio de Almeida (Procuradoria da República no Amazonas) e Lucas de Morais Gualtieri (Procuradoria da República em Pouso Alegre-MG). Os procuradores que atuarão de forma exclusiva no GT - Victor e Galtienio - terão 15 dias, contados a partir de 8 de janeiro, para se transferirem para Brasília.

O objetivo da medida é garantir celeridade e o devido aprofundamento das investigações criminais contra pessoas com prerrogativa de foro perante o STF. Os selecionados trabalharão como membros auxiliares da procuradora-geral da República, Raquel Dodge, na condução de investigações judiciais e extrajudiciais. Atualmente, a PGR atua na condição de representante do Ministério Público Federal (MPF) em mais de 400 inquéritos e dezenas de ações penais em curso no STF.

Procuradoria-Geral da República
Compartilhe no Google+

Sandro Araújo