residencial Para SINDSERP não houve a negociação esperada e segunda paralisação será de 48h - São Gonçalo Agora

Para SINDSERP não houve a negociação esperada e segunda paralisação será de 48h

Após a primeira paralisação realizada nessa segunda-feira (11) pelos servidores públicos municipais de São Gonçalo dos Campos, organizada pelo (SINDSERP) Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de São Gonçalo, em conjunto com as associações da Guarda Municipal da Cidade e dos Servidores Públicos do Recôncavo da Bahia, nessa terça (12), todos os servidores retornaram aos seus postos de trabalho.

De acordo com os organizadores da paralisação, a passeata realizada na manhã dessa segunda contou com a participação de cerca de 250 pessoas, incluindo apoiadores sindicais e sua maioria servidores públicos do município. Ainda de acordo com o sindicato, nenhuma conversação foi realizada entre os representantes do movimento e o gestor municipal. Apenas houve a audiência, fora da agenda normal do prefeito, Carlos Germano, realizada na noite do último dia 5 de setembro, em sua residência.

Na manhã desta terça-feira (12) em contato com o presidente da Associação dos Guardas Municipais, Claudio Pereira, nossa reportagem foi informada que o próximo passo será a realização de uma assembleia geral extraordinária ainda esta semana e, caso não haja nenhum tipo de acordo com o governo e a maioria dos servidores presentes decidam parar novamente, será marcada uma segunda paralisação, esta de 48 horas.

Além da derrubada do Decreto 046/2017, já ocorrido, os servidores também reivindicam concessão de licença prêmio, progressão salarial, incentivo profissional, adicional de insalubridade, pagamento de adicional de deslocamento, atualização de quinquênio, melhores condições de trabalho entre outros.

Na noite dessa segunda (11) o governo municipal divulgou uma Nota Pública, informando que: "sempre se manteve aberto ao diálogo com o Sindicato dos Servidores Públicos Municipal de São Gonçalo dos Campos-SINDSERP, tendo uma reunião no dia 05 de setembro para discutir e negociar as solicitações dos servidores que há anos vem reivindicando e não foram atendidas.

Considerando que o país passa por uma crise financeira, acarretando queda nos repasses de recursos para os municípios, comprometendo também a situação de São Gonçalo dos Campos, em que hoje recebe muito menos do que anos anteriores. Mesmo com essa dificuldade econômica, o gestor já atendeu a maioria dos pontos reivindicados, entre estes:

Aquisição de equipamentos de proteção individual - EPI’s para agentes de limpeza pública; revogação do decreto 046/2017 que dispõe sobre a suspensão temporária de requisição de direitos e valores dos servidores do Município de São Gonçalo dos Campos, através do decreto 079/2017, publicado em 11 de setembro de 2017; autorização para a realização da reforma no alojamento dos agentes de limpeza pública; autorização ao sindicato que protocole pedidos de licença a Secretaria de Planejamento e Administração-SEPLAN; autorização para que os próprios servidores solicitem os empréstimos consignados junto ao setor de recursos humanos. Ressaltando também que o prefeito se prontificou a negociar em dezembro as reivindicações do quinquênio.

Considerando que a maioria das reivindicações foi prontamente atendidas, entende-se que a paralisação ocorrida nesta segunda-feira, 11, tornou-se desnecessária e extemporânea uma vez que o prefeito mantém a disposição de diálogo com os representantes da categoria."

Para o sindicato, apesar de ter sido divulgado pelo governo, não há nenhuma garantia e prazo para que os itens apontados na nota sejam cumpridos.



Por Sandro Araújo
Compartilhe no Google+

Sandro Araújo