Targino Machado afirma que, "Rui Costa, Rodrigo Maia é tudo cachorro, só muda as coleiras" - São Gonçalo Agora

Targino Machado afirma que, "Rui Costa, Rodrigo Maia é tudo cachorro, só muda as coleiras"

O Estadual Targino Machado voltou a pegar pesado no enfrentamento ao que ele chama de "absurdo, cachorragem" a postura do presidente Michel Temer, Jaques Wagner, Rui Costa e os seus deputados federais na manobra que ajudou a barrar a denúncia por corrupção contra o presidente nesta quarta-feira (02), na Câmara dos Deputados.

"Depois do recesso parlamentar, volto para a Assembleia Legislativa da Bahia (Alba) consciente de que o mundo político está cada vez pior. O governador Rui Costa exonerou dois dos seus secretários de Estado que são deputados federais, deputado Josias Gomes e deputado Fernando Torres, para assumirem seus mandatos e ajudarem a barrar a denúncia por corrupção contra Michel Temer. Isso é um absurdo! Esses deputados, e provavelmente os outros ligados ao governador, vão se abster de votar para ajudarem Temer a se livrar do processo no STF. Rui Costa, Jaques Wagner e os seus deputados federais vão ajudar Temer. Por que será? Debaixo desse angu tem carne. De agora em diante, os deputados da base do governador nesta Casa não podem mais criticar Temer, pois Michel Temer, Rui e Wagner são farinha do mesmo saco. Na hora H é assim que funciona: bandido protege bandido. Estão dizendo que Rui está agindo assim para Rodrigo Maia não assumir, mas é tudo cachorro, só muda as coleiras, os partidos. Se vier Rodrigo Maia, vamos trabalhar para tirar ele também. Precisamos de diretas já!"

E o deputado continua no encalço do governador da baiano, dando a entender em seu pronunciamento na Assembleia Legislativa (AL), que Rui esteja por algum motivo com medo de exonerar o delegado Dr. Ricardo Esteves Brito, que segundo o deputado, está sendo investigado pelo Ministério Público de Feira de Santana pela prática de crime de peculato.

"Em Feira de Santana, no ano de 2014, o então delegado coordenador de polícia, Dr. Ricardo Esteves Brito, tomou conhecimento da prisão de pessoas que estavam de posse de mais de R$13.000,00, em espécie, de forma suspeita, e solicitou que o inquérito policial relativo ao caso, após concluído pela delegada plantonista, lhe fosse encaminhado juntamente com o dinheiro. Ao receber o inquérito e o dinheiro, o delegado coordenador, ao invés de emitir um DAE para depósito do dinheiro, remeteu o citado inquérito à delegacia de furtos e roubos, mediante um ofício da coordenadoria, no qual constava a remessa do inquérito acompanhado do dinheiro, porém o dinheiro não foi encontrado. No início do ano seguinte, o delegado Ricardo Brito foi promovido a diretor do Depin. O novo coordenador de polícia de Feira de Santana passou a cobrar do chefe imediato, o diretor do Depin, as chaves do gaveteiro ou o comprovante de depósito do dinheiro, recebendo sempre evasivas. A justiça determinou o depósito da quantia e, após ter sido comunicado, Ricardo Brito, ao invés de fornecer as chaves do gaveteiro para que se resgatasse o dinheiro, pegou com o escrivão um DAE para efetivar o depósito e deixou vencer o documento sem realizar o depósito, somente pagando a totalidade da quantia após a expedição do 3º DAE. Ao tomar conhecimento do ocorrido, o MP de Feira de Santana instaurou uma investigação em desfavor do diretor do departamento de polícia do interior pela prática de crime de peculato e a corregedoria, o MP e o departamento de polícia técnica abriram o gaveteiro, encontrando apenas o ofício no qual o Dr. Ricardo Brito encaminhou o inquérito à delegacia de furtos e roubos sem o dinheiro. E aí, governador Rui Costa, vossa excelência aprovou este ato cometido pelo diretor do Depin ou está com medo de demiti-lo?"

Por Sandro Araújo/Com informações da assessoria do deputado 
Compartilhe no Google+

About Sandro Araújo