1ª Conferência de Saúde das Mulheres do Estado da Bahia segue até 2 de agosto - São Gonçalo Agora

1ª Conferência de Saúde das Mulheres do Estado da Bahia segue até 2 de agosto

Preparatória para a etapa nacional, a 1ª Conferência de Saúde das Mulheres do Estado da Bahia foi aberta na noite desta segunda-feira (31), no hotel Fiesta, na capital baiana. Entre as pautas, temas como a violência de gênero e os desafios para implementar uma atenção integral à saúde da mulher.

De acordo com o secretário da Saúde do Estado da Bahia, Fábio Vilas-Boas, que também coordena a conferência, este é um momento de fortalecimento do controle social, análise do Sistema de Único de Saúde (SUS) e definição de diretrizes para políticas públicas. “Este é um evento que aborda a saúde da mulher sob um aspecto mais amplo, não apenas vinculado à maternidade”, afirma o secretário. “Aqui debateremos a necessidade da equidade e proteção contra a violência de gênero.”

Vilas-Boas pontua ainda que, historicamente, muitas mulheres foram responsáveis pela construção e fortalecimento da saúde pública no País. “Na Bahia, figuram mulheres importantes como Ana Nery, primeira enfermeira do Brasil, Irmã Dulce, fundadora do maior hospital filantrópico da Bahia, e nossa primeira dama, Aline Peixoto, enfermeira, presidente das Voluntárias Sociais e primeira mulher a receber a medalha Rainha Leonor, referente aos serviços prestados na área da filantropia”, destaca o titular da pasta da Saúde. “Assim como elas, as delegadas desta conferência resistem e lutam por um SUS equânime.”
Fábio Vilas-Boas, secretário estadual de Saúde
O presidente do Conselho Estadual de Saúde, Ricardo Mendonça, ressalta a importância da integração de todas as esferas sociais nas discussões. “Estamos garantindo o direito de debate à população historicamente excluída e fazendo valer o princípio da equidade no SUS, com mais mulheres, idosas, jovens, negras, lésbicas, trans, indígenas, mulheres das comunidades tradicionais, mulheres com deficiências e necessidades especiais”, afirma.
Até 2 de agosto, quando serão eleitas as delegadas para a 2ª Conferência Nacional, as discussões serão centradas em quatro eixos temáticos: O papel do Estado no desenvolvimento socioeconômico e ambiental e seus reflexos na vida e na saúde das mulheres; O mundo do trabalho e suas consequências na vida e na saúde das mulheres; Vulnerabilidade na Política Nacional de Atenção Integral à Saúde das Mulheres, e Políticas Públicas para Mulheres e Participação Social.

O conjunto das propostas em todos os eixos temáticos demonstra alguns aspectos que precisam ser colocados na pauta do controle social do SUS, como as questões do acesso, segurança, gênero, raça, etnia, humanização do parto, práticas complementares e integrativas ao SUS e, principalmente, as relações de trabalho.
“As mulheres trabalham, educam e são maioria no país. A saúde delas é algo que precisa de mais atenção. Quando falo em saúde não me refiro apenas no que tange a prevenção de doença. Falo do direito a um atendimento mais humanizado, mais facilidade aos serviços, ser chamada pelo nome, o combate a desnutrição. Estamos focando aqui em como avançar nas políticas públicas. Vamos ouvir da sociedade civil o que as mulheres precisam e querem”, afirma a palestrante da noite de abertura, Maria José de Araújo, membro do conselho consultivo da Rede Nacional de Saúde e Direitos Sexuais Reprodutivos.

Tenda Maria Felipa

A Conferência de Saúde das Mulheres do Estado da Bahia também conta com a Tenda Maria Felipa, instalada do lado de fora do auditório onde acontecem as palestras. O espaço é dedicado à organização de atividades em formato de rodas de conversa. O ambiente garante discussões importantes e incentiva à liberdade de expressão, debate político e produção de cultura durante os dias do evento.

O espaço educativo oportuniza trabalhadores da saúde, estudantes, representantes de movimentos sociais e populares a darem visibilidade às suas ações. Na Bahia, esse espaço homenageia uma personagem histórica: a revolucionária Maria Felipa de Oliveira, heroína na Guerra da Independência, que ocorreu entre 1822 e 1824. Estavam presentes na abertura do evento a secretária de Política para Mulheres, Julieta Palmeira, e a secretária de Promoção da Igualdade Racial, Fabya Reis

Repórter: Leonardo Martins
Compartilhe no Google+

About Sandro Araújo