residencial APLB garante em assembleia reajuste salarial dos professores de São Gonçalo - São Gonçalo Agora

APLB garante em assembleia reajuste salarial dos professores de São Gonçalo

O Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado da Bahia, APLB São Gonçalo dos Campos, realizou uma assembleia geral da rede municipal de ensino no município, na manhã desta quinta-feira (23), na Câmara de Vereadores, para discutir com sua categoria, o prefeito Carlos Germano, além de outros convidados do governo municipal o reajuste salarial 2017 (Piso Nacional do Magistério).

O Ministério da Educação (MEC) anunciou em janeiro, que o piso salarial dos professores terá aumento de 7,64% em 2017. O valor representa incremento de 1,35% acima da inflação acumulada de 2016, que foi de 6,29%. Para este ano, o piso nacional do magistério é de R$ 2.298,80.

De acordo com o presidente da APLB/SG, prof. Nilson do Carmo, um dos motivos também da assembleia foi para participar e esclarecer os professores, quanto aos boatos dando conta que possivelmente não houvesse o aumento no município. Os professores da rede municipal de São Gonçalo recebiam o piso salarial 2016 de R$ 2.135,00, para profissionais de Nível Médio com jornada de 40 horas semanais, mais 31,8%, algo em torno dos R$ 750,00 adquirido pelo sindicato na aprovação de seu Plano de Cargo e Salário (Estatuto).



A confusão se deu após o prefeito se pronunciar na Sessão Solene de reabertura dos trabalhos na Câmara, dia 15 de fevereiro, alertando que os professores recebem R$ 750 em cima do piso salarial, alguns cumprem 20 horas e ganham por 40, e que, se ameaçassem greve, corrigiria em cima do piso. Com base nessa fala, provavelmente seguidores políticos e que não conhecem o estatuto do professor do município, começaram a propagar que não deveria haver o aumento e sim uma correção salarial.



O reajuste tem como base os termos do art. 5º da Lei nº 11.738, de 16 de julho de 2008, que estabelece a atualização anual do piso nacional do magistério, sempre a partir de janeiro.

O assessor contábil do governo municipal, Paulo Almeida Prado, informou que o governo gasta 94% da verba do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) com salários dos professores, quando o limite mínimo é 60%.

Depois de horas de discussão e já no final da assembleia o prefeito Carlos Germano voltou a se pronunciar e decidiu que o governo irá pagar o reajuste de 7,64% e se comprometeu em buscar emendas, recolher assinaturas dos professores e brigar por mais verbas tanto para a educação quanto para os demais setores do governo municipal.




Por Sandro Araújo/São Gonçalo Agora
Compartilhe no Google+

Sandro Araújo