residencial Após demissão de Dr. crianças com síndrome de Down têm tratamento interrompido em São Gonçalo - São Gonçalo Agora

Após demissão de Dr. crianças com síndrome de Down têm tratamento interrompido em São Gonçalo

Pais e mães de crianças portadoras de necessidades especiais e que precisam de tratamento médico em São Gonçalo dos Campos estão reivindicando a volta do Dr. Laércio, fonoaudiólogo, que foi demitido essa semana do (CRAS) Centro de Referência da Assistência Social, e também da escola Sementinha da Vida em São Gonçalo.

O Dr. Laércio estava atuando na saúde do município há cerca de 6 anos, realizando um importante trabalho no tratamento de crianças portadoras de necessidades espaciais. Com dificuldades na fala, na aprendizagem, autismo, paralisia cerebral e estimulação, além do fortalecimento de vínculos.

Em São Gonçalo são cerca de 80 famílias com crianças portadoras de necessidades espaciais que tiveram o tratamento interrompido.

Roque Enrique de Oliveira, morador do Magalhães, disse que ficou decepcionado com a notícia ao chegar no CRAS com sua filha nessa sexta-feira (05). Sem condição financeira para dar continuidade ao tratamento em uma clínica particular, Roque espera que uma solução seja tomada o mais rápido possível. Elinoete, moradora das Flores, também ficou preocupada com a demissão do Dr., pois seu filho está há dois anos recebendo o tratamento e os resultados têm sido bastante positivos. Seu filho mal falava e hoje já se comunica normalmente com as pessoas. A senhora Alaide da Silva, moradora do Murilo Leite, demonstrou muita revolta. A filha dela tinha três anos fazendo o tratamento e disse que o fonoaudiólogo é de extrema importância para que essas crianças desenvolvam o dom da fala.

Outros responsáveis por crianças que frequentavam o CRAS e Sementinha também relataram  interrupção do tratamento e estão à espera de uma solução, e que preferencialmente seja o retorno do Dr., que tem muito carisma e relação quase que "paterna" com as crianças.

Ainda de acordo com informações, além de não ter um substituto os pais não tiveram nenhuma informação a respeito do problemas.

Em contato com o Dr. Laércio, fomos informados que infelizmente houve mesmo seu afastamento, se quer sabe o motivo já que tudo em sua área estava sendo desempenhado rigorosamente bem, e agora apenas se preocupa com as 80 famílias e suas crianças que estão com um tratamento tão importante interrompido.

São Gonçalo Agora/Sandro Araújo
Compartilhe no Google+

Sandro Araújo