residencial Em São Gonçalo dados da campanha contra H1N1 só com autorização do prefeito ou secretária de saúde - São Gonçalo Agora

Em São Gonçalo dados da campanha contra H1N1 só com autorização do prefeito ou secretária de saúde

A população de São Gonçalo dos Campos pelo visto ficará sem informações sobre o andamento da campanha de vacinação contra a gripe H1N1, HPV e a Antirrábica campanhas que estão ocorrendo no momento nessa cidade.

Desde o início da campanha contra o H1N1 estamos em busca de informações como a quantidade de doses aplicadas, se o município está tendo problemas no fornecimento das vacinas, uma vez que vários municípios do Estado estão passando por esse problema, se já foi notificado algum caso suspeito da doença, qual a meta do município e quanto já foi alcançado, mais de uma forma muito misteriosa nossa reportagem está encontrando grandes obstáculos na busca dessas informações, que julgamos ser de enorme necessidade aos moradores dessa terra.

Em busca dessas informações, de competência da Coordenadora da Vigilância Epidemiológica,  SRª. FABIANA PORTO SILVA , fomos informados pela mesma que só pode conceder entrevista com a AUTORIZAÇÃO DO PREFEITO ANTONIO DESSA CARDOSO OU DA SECRETARIA DE SAÚDE DO MUNICÍPIO, SECRETÁRIA DANIELA TELES DOS SANTOS. O estranho é que, anteriormente colhíamos todas as informações referentes a saúde do município e nunca fomos informados da necessidade de autorizações. Ao que parece, a coordenadora pode ter sido proibida de fazer este grande bem ao povo Sangonçalense, que é informar o andamento desses trabalhos da secretaria, afim de cuidar da saúde deste povo. 

Porque dificultar a prestação de informações de uma campanha de vacinação de uma doença perigosa e que já matou várias pessoas no Estado e País?

Na Bahia cerca de 41 pessoas já contraíram o vírus e 9 morreram vítimas da H1N1. Até 3 de maio apenas 38,2% do público alvo foi vacinado.

MINISTÉRIO DA SAÚDE

Balanço do Ministério da Saúde, divulgado nesta terça-feira (3), mostra que 21,3 milhões de pessoas já se vacinaram contra a gripe neste ano. O quantitativo representa 43% do público-alvo, mais da metade da meta – que é vacinar, pelo menos, 80% das 49,8 milhões de pessoas consideradas de risco para complicações por gripe. Para a campanha, que vai até 20 de maio, foram adquiridas 54 milhões de doses da vacina que protege contra os três subtipos do vírus recomendados pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para 2016 (A/H1N1, A/H3N2 e influenza B).

Segundo o balanço, três estados e mais o Distrito Federal alcançaram as maiores coberturas vacinais até o momento: Amapá (78,11%), Distrito Federal (64,7%), Goiás (63,5%) e São Paulo (61,6%). Este desempenho foi possível porque o Ministério da Saúde iniciou o envio das vacinas no dia 1º de abril, o que possibilitou a antecipação da vacinação em vários estados. Até a próxima sexta-feira (6), mais de 49 milhões de doses da vacina já terão sido enviadas às secretarias estaduais de saúde, o que corresponde a 93% do total de doses adquiridas para a campanha (54 milhões).

“Em todo o país, 22 estados da Federação puderam adiantar suas vacinações, o que permitiu a alta cobertura vacinal alcançada até este momento. Mas é importante deixar claro que a campanha começou neste sábado, 30 de abril, e continua até o dia 20 de maio, não havendo necessidade de correria aos postos de saúde porque tem vacina para todos que fazem parte do público-alvo”, explicou o secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Antônio Nardi, reforçando que, até o próximo dia 13 de maio, 100% das doses da vacina serão entregues aos estados brasileiros.

A região Sul apresentou, até agora, o melhor desempenho em relação
à cobertura vacinal contra a influenza, com 55,7%, seguida pelas regiões Sudeste (48,05%); Centro-Oeste (48%); Norte (34,9%) e Nordeste (31,65%). Para a coordenadora do Programa Nacional de Imunizações (PNI) do Ministério da Saúde, Carla Domingues, a alta cobertura vacinal nos primeiros dias da campanha deste ano ratifica o sucesso da estratégia. “A Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza começou neste sábado (30) e, em menos de três dias, já aponta uma altíssima cobertura vacinal em todo o país. Nesta campanha, mais uma vez, o Ministério da Saúde cumpre o papel de proteger a população prioritária”, avalia a coordenadora, reforçando que o Brasil está entre os países que mais ofertam vacinas gratuitamente.

Dentre os grupos prioritários à vacinação, os trabalhadores de saúde apresentam, até o momento, a maior cobertura, com 2,1 milhões de doses aplicadas, o que representa 53% dos profissionais a serem vacinados. Em seguida estão as crianças de seis meses a menores de cinco anos (quatro anos, 11 meses e 29 dias), com 5,7 milhões de vacinados (44,85%); 164 mil puérperas (44,7%); 8,9 milhões de doses em idosos (43%); e 797,8 mil doses aplicadas em gestantes (35,7%). Com 70,5 mil doses aplicadas, 11,3% dos indígenas já foram vacinados. Como a vacinação deste grupo é realizada em áreas remotas, a atualização dos dados segue outra dinâmica. Também foram aplicadas 3,4 milhões de doses nos grupos de pessoas com comorbidade; população privada de liberdade e trabalhadores do sistema prisional. Os portadores de doenças crônicas não transmissíveis, o que inclui pessoas com deficiências específicas, também devem se vacinar. Para esse grupo não há meta específica de vacinação.

A escolha dos grupos prioritários segue recomendação da OMS. Essa definição também é respaldada por estudos epidemiológicos e pela observação do comportamento das infecções respiratórias, que têm como principal agente os vírus da gripe. São priorizados os grupos mais suscetíveis ao agravamento de doenças respiratórias.

CASOS DA DOENÇA
Neste ano, até 23 de abril, foram registrados 1.880 casos de influenza de todos os tipos no Brasil. Deste total, 1.571 por influenza A (H1N1), sendo 290 óbitos, com registro de um caso importado (o vírus foi contraído em outro país). O Brasil possui uma rede de unidades sentinelas para vigilância da influenza, distribuídas em serviços de saúde de todas as unidades federadas do país, que monitoram a circulação do vírus influenza por meio de casos de síndrome gripal (SG) e síndrome respiratória aguda grave (SRAG).

A Região Sudeste concentra o maior número de casos (1.106) influenza A H1N1, sendo 988 no estado de São Paulo. Outros estados que registraram casos neste ano foram Santa Catarina (100); Goiás (69); Rio Grande do Sul (53); Minas Gerais (50); Rio de Janeiro (46); Pará (45); Paraná (45); Bahia (41); Distrito Federal (40); Espírito Santo (22); Pernambuco (18); Mato Grosso do Sul (14); Ceará (10); Rio Grande do Norte (8); Paraíba (7); Alagoas (6); Mato Grosso (4); Amapá (2); Roraima (1); e Sergipe (1).

Com relação ao número de óbitos, São Paulo registrou 149, seguido por Santa Catarina (20); Rio de Janeiro (18); Rio Grande do Sul (18); Minas Gerais (14); Goiás (11); Bahia (9); Pará (8); Paraná (7); Pernambuco (5); Espírito Santo (5); Rio Grande do Norte (4); Ceará (4); Distrito Federal (4); Mato Grosso do Sul (3); Mato Grosso (3); Paraíba (3); Amapá (2); e Alagoas (2).

A tabela abaixo indica as doses já aplicadas e a cobertura vacinal do público-alvo que é possível ser estimado, exceto pessoas com comorbidades e necessidades especiais, além de pessoas privadas de liberdade e trabalhadores do sistema prisional, que não têm meta específica. A totalização desse público é feita por meio da soma das doses aplicadas.

Total de doses aplicadas (exceto em pessoas com comorbidades, população privada de liberdade e trabalhadores do sistema prisional) por UF
Estado
Vacinação contra a gripe – até 3 de maio
População prioritária
Doses aplicadas
Cobertura vacinal (%)
RO
302.412
154.751
51,2
AC
170.024
60.149
35,4
AM
869.062
294.185
35,9
RR
150.116
29.392
19,6
PA
1.491.529
429.802
28,8
AP
139.546
110.165
79
TO
292.131
112.710
38,6
NORTE
3.414.820
1.191.154
34,9
MA
1.390.900
302.975
21,8
PI
645.402
160.543
24,9
CE
1.776.416
412.908
23,2
RN
669.091
257.588
38,5
PB
853.196
261.105
30,6
PE
1.887.670
735.119
38,9
AL
636.571
191.138
30,3
SE
408.849
104.326
25,5
BA
2.900.022
1.108.608
38,2
NORDESTE
11.168.117
3.534.310
31,65
MG
4.118.983
1.439.651
35
ES
722.718
344.426
47,7
RJ
3.643.069
1.076.748
29,6
SP
8.999.512
5.540.309
61,6
SUDESTE
17.484.282
8.401.134
48,05
PR
2.242.191
1.208.861
53,9
SC
1.267.596
738.560
58,3
RS
2.517.391
1.408.258
55,9
SUL
6.027.178
3.355.679
55,7
MS
582.399
120.185
20,6
MT
623.834
184.818
29,6
GO
1.219.467
774.849
63,5
DF
498.646
322.772
64,7
CENTRO-OESTE
2.924.346
1.402.624
48
TOTAL
41.018.743
17.884.901
43,6
Compartilhe no Google+

Sandro Araújo