residencial São-Gonçalenses participaram de disputa de Hip Hop em Salvador neste domingo (10) - São Gonçalo Agora

São-Gonçalenses participaram de disputa de Hip Hop em Salvador neste domingo (10)

O baiano é um povo que adora meter dança. Quem dúvida dessa afirmação é porque não viu a 6ª Batalha de Breaking Independente de Rua, realizada na tarde deste domingo (10), no Engenho Velho de Brotas.

No mês da dança, o hip hop não poderia ficar de fora das comemorações. A disputa teve participação de dançarinos e dançarinas (chamados de B.boys e B.Girls) de Salvador, Dias D`Avila, Simões Filho, Valença, Feira de Santana, São Gonçalo dos Campos, Lauro de Freitas, Alagoinhas e outros municípios.

A comissão julgadora da Batalha foi composta por três jurados de diferentes estados brasileiros. A “B.girl” Branca, de (DF) Brasília, “B.Boy” Okado, de Recife (PE) e “B.boy” Zote de Salvador (BA). Trinta e duas duplas disputaram a premiação no total de 4.500,00. O acesso para o público foi por meio de ingressos com valores entre R$ 2,5 e R$ 5.

A competição integra a programação do projeto “Cultura, Hip Hop e Informação” que acontece de fevereiro a junho de 2016, e é uma proposta do Grupo Independente de Rua. “O grupo tem o intuito de garantir autonomia e valorização social. Desde 2002 viemos realizando atividades culturais reconhecendo que a rua é o espaço para estimular os novos adeptos, criar, produzir, transformando a rua em um ponto de encontro” afirma Ananias Break, integrante do Grupo.

Quem passava nas imediações do Solar Boa Vista percebia a movimentação de jovens, a maioria de preto, que se aglomerava envolta do Teatro. Mesmo depois de estar afastado sete meses da pista de dança, por causa de uma fratura no joelho, o B-Boy Allyh Rebel, 22 anos, foi um dos destaques da apresentação. Ele contou que aprendeu a dançar com o pai, quando ainda tinha 9 anos.

“Meu pai era B-Boy também. Ele me ensinou alguns passos, mas meu interesse pelo Breaking começou mesmo em 2008, quando um amigo me convidou para assistir a uma apresentação. Acabei entrando para o grupo”, contou o rapaz que mora na Saramandaia e foi uma das sensações da batalha (veja um trecho da batalha no vídeo abaixo).




Compartilhe no Google+

Sandro Araújo