residencial Na próxima segunda, acontece a IV Conferência Estadual de Direitos Humanos - São Gonçalo Agora

Na próxima segunda, acontece a IV Conferência Estadual de Direitos Humanos

Com o tema “Direitos Humanos para Todas e Todos: Democracia, Justiça e Igualdade”, acontece a IV Conferência Estadual de Direitos Humanos. Promovido pelo Conselho Estadual de Proteção aos Direitos Humanos e a Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social (Justiça Social), o evento será realizado nos dias 14 e 15 de março, no Hotel Sol Vitória Marina (Corredor da Vitória), em Salvador.

Com a conferência, Estado e sociedade pretendem reafirmar e ampliar o compromisso com as políticas públicas de promoção e defesa dos direitos humanos e de promoção da igualdade, fortalecer a participação social na construção, implementação e monitoramento dessas políticas e discutir, propor estratégias e implementar mecanismos de enfrentamento à violência institucional, entre outros objetivos.

Entre os objetivos do encontro está estimular a discussão acerca de estratégias sobre desenvolvimento com garantia dos direitos dos povos e comunidades tradicionais, ribeirinhas, indígenas, quilombolas, pessoa idosa, mulheres em situação de violência, criança e adolescente, juventude, população LGBT, pessoa com deficiência e demais grupos sociais vulneráveis.

No decorrer da conferência três eixos serão trabalhados: I - Afirmação e fortalecimento da democracia, II - Garantia e universalização de direitos e III - Promoção e consolidação da igualdade.

Segundo o secretário de Justiça Social, Geraldo Reis, "a conferência coroa o esforço político do governo estadual em ampliar a razão dos Direitos Humanos em nossas ações, de modo inédito. Teremos a participação de movimentos populares que atuam em diversos setores, concretizando-o enquanto uma conferência conjunta dos Direitos Humanos, de acordo com a sinalização da Secretaria Nacional de Direitos Humanos”, enfatizou.

Programa - A abertura da conferência, às 9h, contará com a presença do secretário de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social (Justiça Social), Geraldo Reis , do secretário Especial de Direitos Humanos, Rogério Sotilli, da superintendente de Apoio e Defesa aos Direitos Humanos, Anhamona de Brito, e de membros do Conselho Estadual de Proteção aos Direitos Humanos do Estado da Bahia. Depois de uma performance cultural acontece a palestra magna sobre sobre Direitos Humanos para “Todas e Todos: Democracia, Justiça e Igualdade”.

Nos Diálogos Temáticos, participarão do eixo Afirmação e Fortalecimento da Democracia, a ativista do Comitê Popular da Copa, pesquisadora em Direitos Humanos da Universidade de Brasília (UNB), Larissa Araújo, o coordenador nacional do Coletivo de Entidades Negras, Marcos Rezende, o secretário de Justiça Justiça Social e a perita do Mecanismo de Prevenção e Combate a Tortura (SDH), Deise Benedito.

Do eixo II, com o tema Garantia e Universalização de Direitos, participarão a superintendente Anhamona de Brito, do escritor e ativista dos movimentos ambientalista, quilombola e de inclusão e acessibilidade à pessoa com deficiência, Jorge Amaro de Souza Borges , da líder de religião de matriz africana (Ilê Axé Iya Nassô Oká) e ativista de Direitos Humanos Egbomi Nice Evangelista Espíndola e da coordenadora do Movimento Nacional de População de Rua, Maria Lúcia Pereira.

O terceiro eixo, sobre Promoção e Consolidação de Igualdade, contará com a presença do Cacique Babau (Rosivaldo Ferreira da Silva), autoridade indígena tupinambá, Mario Theodoro – consultor do Senado, economista, pesquisador e professor da UNB, Gicélia Cruz – membro do Fórum Nacional de Mulheres Negras, professora da rede estadual, e Historiadora do Estado, Padre José Carlos Santos, decano do Conselho Estadual de Direitos Humanos e membro da Pastoral Carcerária.

No segundo e último dia (15), os grupos de trabalho discutirão sobre os temas dos três eixos e levantarão as propostas que serão apresentadas á tarde, em plenária, assim como a delegação baiana que irá à conferência nacional, prevista para acontecer em abril, em Brasília., além dos encaminhamentos, da aprovação de textos, moções e considerações finais.

“Reconhecemos que ainda há muito o que fazer para a descentralização, popularização e interiorização dos debates e ações de Direitos Humanos na Bahia”, salientou Anhamona de Brito. Segundo a superintendente, há uma grande expectativa na conferência “para o ajuste das estratégias que garantam a efetividade destas pretensões”, concluiu.
Compartilhe no Google+

Sandro Araújo