residencial Denúncia contra Lula é crime estadual e triplex era destinado a ele, diz MP - São Gonçalo Agora

Denúncia contra Lula é crime estadual e triplex era destinado a ele, diz MP

O Ministério Público de São Paulo explicou em entrevista coletiva nesta quinta-feira (10) os motivos que levaram o órgão a formalizar à Justiça a denúncia contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pelos crimes de lavagem de dinheiro e falsidade ideológica por causa da suposta compra de um apartamento triplex em Guarujá, no litoral de São Paulo. O MP diz ainda que a soma de testemunhos e documentos levam à única conclusão de que o imóvel era destinado a Lula. A defesa de Lula nega que o ex-presidente seja proprietário do triplex.

Segundo os promotores, testemunhas e documentos atestam que Lula cometeu dois crimes: falsidade ideológica e lavagem de dinheiro.

Falsidade ideológica: declaração falsa no Imposto de Renda de 2015 assumindo a propriedade de outro apartamento, não o tríplex, no edifício Solaris, em Guarujá. A declaração foi exposta pelo próprio Instituto Lula em sua página na internet.

Lavagem de dinheiro: ocultação do triplex, mantido sempre em nome da construtora OAS.

“É uma soma de testemunhos e documentos. Só não houve a terceira etapa da integralização porque um órgão de imprensa noticiou essa situação e eles resolveram por bem largar aquele imóvel às pressas. Por essa razão a lavagem de dinheiro não se perpetuou”, disse o promotor Cassio Conserino. “Desde sempre aquele imóvel esteve reservado para o ex-presidente. A OAS nunca comercializou aquele imóvel. A ordem era essa, segundo depoimento dos corretores.”

"Nada na investigação é fruto de invencionice ou especulação. É tudo testemunha e documento", ressaltou o promotor.

O promotor disse ainda que não há invasão de atribuição ou competência, e sim a leitura de uma investigação feita há seis anos, que culminou em uma denúncia por crimes de estelionato, agora novamente reproduzidos. "Essa investigação é desdobramento de uma investigação feita há seis anos. São crimes estaduais de estelionato, falsidade ideológica que estão em contexto de crimes estaduais", disse Conserino.

"Esses fatos que hoje viraram denúncia já ocorriam. A questão envolvendo o triplex é dividida. Enquanto o apartamento diz respeito a essa questão, o que tem dentro, reforma integral, a mobília da cozinha, os demais ambientes, e o sítio em Atibaia pertencem ao Ministério Público Federal e à Lava Jato."

Os promotores afirmaram ainda que vão pedir o compartilhamento de algumas provas obtidas pela investigação de São Paulo com a feita pela Operação Lava Jato, e vice-versa. "As investigações se complementam, cada uma em sua esfera de investigação", afirmou Conserino.

A juíza Maria Priscila Veiga Oliveira, de São Paulo, decidirá se o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva vai virar réu na denúncia dos promotores paulistas por ocultar patrimônio - um apartamento triplex do Guarujá. A denúncia do Ministério Público Estadual vai ser analisada pela quarta vara criminal da Justiça de São Paulo. O MP diz que não há expectativa para o prazo de que a Justiça aceite ou não a denúncia. "São 7,5 mil folhas de investigação. É prematuro e temerário qualquer comentário sobre prazo para o juiz decidir", disse Conserino.

Segundo os promotores, a pena por lavagem de dinheiro vai de 3 a 10 anos, e por falsidade ideológica de 1 a 3 anos.

O ex-presidente, a mulher dele, Marisa Letícia, e o filho foram denunciados pelo Ministério Público Estadual na quarta-feira (9). Outras 13 pessoas também foram denunciadas. Este é um inquérito que corre em São Paulo, sem relação com a Operação Lava Jato.

O ex-presidente foi denunciado pelos promotores por falsidade ideológica e lavagem de dinheiro - por ter ocultado a propriedade do triplex. Dona Marisa Letícia foi denunciada por lavagem de dinheiro. O filho deles, Fábio Luís Lula da Silva, o Lulinha, foi denunciado por participação em lavagem de dinheiro.

As outras 13 pessoas foram denunciadas pelos crimes de estelionato, organização criminosa, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro, entre elas estão: o ex-tesoureiro do PT e ex-presidente da Bancoop, João Vaccari Neto e o ex-presidente da construtora OAS, José Aldemário Pinheiro Filho, o Léo Pinheiro.

Para essas 16 pessoas virarem réus, a denúncia precisa ser aceita pela Justiça paulista.

A denúncia já está nas mãos da juíza. Primeiro, ela vai analisar as acusações dos promotores. Se decidir dar início ao processo criminal, os réus serão chamados para apresentarem uma defesa preliminar. A partir daí, a juíza decide se dá seguimento ou não processo.

Informações do G1
Compartilhe no Google+

Sandro Araújo